terça-feira, 23 de janeiro de 2018

DIVERSIDADE POÉTICA



                                                           



  Tendo voltado o meu pensar às diversas fases literárias vivenciadas pela humanidade, principalmente no que diz respeito à poesia, detive-me na comprovação de que os poetas não só enfeitam o mundo utilizando abstratismos, fazendo com que sonhos estelares e paradisíacos encantem nossos olhos como uma realidade presente, mas também, são criadores de formas e estilos poéticos.
   Há longos anos, venho acompanhando e, por vezes, interagindo com poetas renomados ou não, em sites destinados a pessoas afins e fico encantado com o destino que os mesmos dão aos vocábulos. Os poetas brincam com as palavras a ponto de sua lide imaginativa buscar várias combinações de rimas nas estrofes.
  Esse processo criativo torna-se ainda mais admirável quando procuram usar a mesma métrica e, às vezes, fazem versos sem utilizar determinada letra do alfabeto. Há ainda aqueles que preferem não colocar pontuação alguma em suas poesias...
  Outro exemplo: ao ter a honrosa oportunidade de fazer alguns duetos com a exímia poetisa e escritora Luiza De Marillac Bessa Luna Michel, isso fez com que eu notasse maiores características de sua forma de escrever. Essa poetisa escreve o início de todas as palavras de suas poesias com letras maiúsculas e assim, a exuberância lírica do seu versejar ganha destaque e maior brilho com essa inventividade poética. Tais devaneios e capacidade lingüística desses seres iluminados que são os poetas e poetisas os tornam eternos aprendizes dos vocábulos.
   Particularmente, admiro muito isso, talvez pelo fato de ter sido influenciado pelos maravilhosos escritos do Parnasianismo. Essa é a época que mais gosto no campo da poesia, pois os poetas de então buscavam formas encantadoras de abstratismos e metáforas com ênfase para os sonetos tão bem rimados e metrificados.
    Os parnasianos, liderados, no Brasil, pela admirável tríade dos imortais poetas Olavo Bilac, Raimundo Corrêa e Alberto de Oliveira tinham como lema: “a arte pela arte”, e encantavam o mundo por primarem pelo perfeccionismo.
  Embora eu tenha elaborado alguns poemas metrificados, não é sempre que os faço, mas a minha atenção foi despertada desde muito cedo pela beleza das formas, o rigor às métricas e à estética que prevalecem, com destaque em temas clássicos, muitos dos quais, ligados à mitologia, cujo processo criativo era a tônica dos poetas parnasianos.
  Outro detalhe curioso é que cada poeta, embora tenha sido influenciado por algum outro poeta ou estilo poético, tem a sua característica própria o seu modo pessoal de debruçar em seus devaneios e passar para o papel aquilo que vê e sente.

   Assim, o fascinante mundo da poesia com seus variáveis estilos perpetua pelos tempos nos corações sensíveis, fazendo a imaginação voar em eldorado de sonhos como um escudo invisível contra os artifícios do mal, tanto na acalentura do sol quanto no magneto do plenilúnio sob o céu azul estrelado


                                                               Antenor Rosalino


quinta-feira, 18 de janeiro de 2018

ANALOGIA DO NOSSO AMOR

Dueto "ANALOGIA DO NOSSO AMOR" com
a exímia poetisa Luiza De Marillac Michel


                         
                                         
   

Juntos Sob Um Lindo Verão...
Sonhei Morar Teus Braços
Lugar Bonito Cor De Alazão
Há Desejo Renovar Entrelaços

Pela Manhã Junto Despertar
Farei Memórias Nossa Bilac
Flertando Denso Adiamantar
Letras Pintadas Por Marillac

Tudo Na Mais Tenra Harmonia
Num Sentido Sangue Pulsando
Poetas Que Dançam Tal Magia

Amor Recoberto Em Terminologia
Maravilhoso O Poetar Do Antenor
Já Passa O Tempo Da Apologia...

Luiza De Marillac Bessa Luna Michel



O veraneio exala sândalos
Num sonhar de afagos e abraços
Belezas da cor de corcéis
Versos aventados em cordéis.

Despertados sonhos no amanhecer
Lembranças parnasianas de Bilac
Diamantinos versos vêm à luz
Na pena dourada de Marillac

Em sincronia harmônica e perfeita
Pulsa o sangue uníssono dos poetas
Num bailar mágico de líricas colheitas

Apologias levadas em glórias
E terminologias traduzidas pelo amor
Destina os versos de Luiza e Antenor


                                                    Antenor Rosalino

CELEBRAÇÃO NOSSA....


DUETO '"CELEBRAÇÃO NOSSA" COM A
POETISA LUIZA DE MARILLAC MICHEL


                                                                
                                


Na Tenra Saudade Do Banho
Vejo os Cantos De Bem-Te- Vis
Flertando Nos Riachos Azuis
Faço Um Mate E Te Convido!

A Passear Comigo Nas Florestas
Para Colher As Flores Já Caídas
São Lamparinas De Minha Nudez
Estampada Nas Cores Da Borboleta!

Inocente Voo Nos Céus Estrelados
Desatando  Chuva Que Cai Cá Dentro
Celebrando Nosso Laço De Perpétuo Amor!

É Vela Consumida Sob Altares De Ternura
É Paixão Que Não Se Exaure Sob Afetos
É A Gestação De Ti Em Meu Ventre Menina... 

    Luiza De Marillac Bessa Luna Michel



Um convite se aventa em sussurros.
Ecoa nas cachoeiras em escarcéus,
Nos recatos de flores onde colibris espreitam
Sob o fascínio azul do manto estelar supremo.

Meu acinte é tácito num brinde ao amor.
Permeamos a brisa florestal absorvendo mate
Num passeio festivo em que acrobáticas borboletas
Coloram a nudez da diva num átimo de arremate.
           
Empreendemos vôo num giro misterioso
De encontro ao céu na noite de plenilúnio
E nem sentimos no íntimo a chuva lume caindo.

No derreter de velas no altar mor do amor perfeito
A paixão ancora sorrisos cintilando teu riso de liz
Na íris púrpura que vem de ti, minha linda imperatriz.


                                                                Antenor Rosalino


segunda-feira, 15 de janeiro de 2018

DOIS CORAÇÕES

Dueto “Dois Corações”, com a exímia
e querida poetisa
Luiza De Marillac Bessa Luna Michel


                                                                
                                                              
                                          


Teu Sorriso E Teu Olhar
Meigo  E Tão Cativante
Não Canso De Contemplar
Ao Menos Por Um Instante
Os dias foram passando
E Não Imaginávamos
Os Dois Sempre Juntos
E Assim Se Perpetuava
Felicidad Sem Explicação
Molda Nossos Dois Corações 
Essa Paixão Queima Refrigera
Como Um Grande Furacão !

Meu Amor Por Você
Nunca Será Medido
Bem Maior Que O Mar
És Maior Que O Infinito...

Luiza De Marillac Bessa Luna Michel


Em risos meigos cativos
A contemplação presente
É bálsamo que abraça a alma
Num átimo de instante

No fluir breve do tempo
As surpresas se sucedem
Como a união de nossas almas
Que em sonhos acontecem

Em refrigério e acalentura
Remansos de prazeres e delícias
Vendavais inocentes apaixonantes
Pepitas de amor que não se explica

Sem medida de amar
Configura-se o glamour
Do nosso sonho quimérico
Que se faz além do amor


            Antenor Rosalino








                                             

sexta-feira, 12 de janeiro de 2018

MAMÃE

Num recolhimento de alma a Deus, tenho a honra
de partilhar desse dueto com a exímia poetisa
Luiza de Marilac Bessa Luna Michel, em homenagem
à senhora Estelita, sua genitora, a quem parabenizo,
entusiàsticamente, pelo transcurso do seu aniversário
natalício, desejando-lhe, com meu melhor carinho,
tudo o que a vida tem de melhor.
                                                   




                                                    Mamãe

És Presente Em Dias De Galas
És Fortuna Em Coração Menina
És Graciosa E Tão Talentosa
És Rebento Perfeito Nossa Lida

És Tenra És Bela És Mamãe
És Fascínio Em Vidas Gratas
És A Rainha Tantas Províncias
És Socorro Em Dias De Luta

És Amor Por Todas Vidas  Nossas
És Guerreira Sem Armas Nas Mãos 
És Sorriso Que Abrasa Os Filhos

És Estrela Em Nome Lindo Estelita
És Espírito Forte Sob Nítidas Vestes
És Sabedoria Diante Do Pai Celestial...

Luiza De Marillac Bessa Luna Michel 



Sob o signo do amor perfeito
A tua aura fagulha bênçãos divinais
O teu dulcíssimo coração vaticina
Suprema oferenda do Pai Celestial

Mãe amorável, cândida e bela
A tua sapiência reina em todos os solos
Tu és escudo invisível dos filhos queridos
Pureza de vida que em sândalos assola.

Leda magia emana de tuas delicadas mãos
E teu sorriso aberto fecunda a alegria
Do viver nas vinhas de repentinos sonhos

O teu nome Estelita remete às estrelas
Sincronia perfeita da regência universal
Abençoada seja tua lida em cada instante dial.

                                                               Antenor Rosalino


terça-feira, 9 de janeiro de 2018

PRESSÁGIO


DUETO ‘PRESSÁGIO” COM LUIZA


                                                                
                                  


        Todo Esse Mundo Que Cá Conheço
         Distintos Estão Sob Vários Esteios
         Que Não Soframos Das Angústias
         Embebecidas Nos Céus Do Amor
                       
        Ser Feliz Quando Se Ama Assim
        Tarefa Dos Humildes Aprendizes
        Eu Quero Mais  Pousar A Mão
        E Dizer-me Plenamente Amada

        Aprecio o Barroco Onde  Poetas Exaltados
        Morriam Das Dores Dos Amores Contestes
        Guardavam Rebanho Como Pessoa "Nosso"
        Da Tristeza, Sossego leigo Que Já Acalma

        A Alma Não Se Perturba Nem Se Atraca Mais
       Unidos Trafegaremos Por Todos Matagais
       Colheremos Flores Nos Brilhos e Nas Relvas
        E Nos Abraçaremos Espantando As Dores...

             Luiza De Marillac Bessa Luna Michel



No conhecido mundo de prazeres e conflitos
Diversos são os ângulos a serem repensados
Para que o amor esculpido se refaça,
Distante de ágmas, na amplidão dos luares.

O aprendizado perpétuo na concepção dos humildes
É a bússola que me guia ao ápice do amor perfeito.
Encantadoramente meteórico, um mistério se irradia
Fulgurantes poesias... Sol em tardes de domingo

Na apreciação de apoteóticos estilos poéticos
Vêm-me à mente devaneios do Barroco antigo
E, em oferenda, com igual louvação na terra trêmula
Estendo os meus braços para fecundos abraços.

Colhendo flores em jardins de encanto da imaginação
Entrego-me ao sopro da brisa e sonho pétalas sem temor
Postergando lágrimas na lividez dos risos de hoje
Suspiramos presságios no desabrochar do amor.

                                                     Antenor Rosalino

sexta-feira, 5 de janeiro de 2018

INCESSANTE

                           

                                         
                                               


                          Navegas em Meus Mares
                          Ganhas Todo Dia O Mundo
                          Próximo Desse Meu Pensar
                          Ancoras Já Todos Navios

                          Teu Canto Que Tão Estável
                          Visitas Assim Tantos Portos
                          Mas, O Meu É Coração Navio
                          Onde Singras Os Teus Cais

                          Espero-te Sob Tantos Céus
                          A Partida Do Rio Já Cruzado
                          Da Brisa Toda Geladas Estás
                          Tuas Ondas Me Amansaram

                           Serenados Todos Teus Voos
                           Teu Nome Grafado Em Mim
                           Cada Entardecer A Tatuagem
                           Retorno Certeiro Amor Alado... 

                            Luiza De Marillac Bessa Luna Michel



                           Singro mares como albatrozes,
                           Liberto no mágico encanto do pensar
                           Mas deleito o cansaço na âncora
                           Do domínio de ti, minha diva.

                           Cruzo portos em abandono doído
                           Sob céus cinéreos e tristes
                           Envolto na bruma invisível
                           Do cais do teu coração que me alisa.

                            A brisa e as ondas leves e mansas
                            Carregam os suspiros sentidos
                            Que ecoam das minhas vísceras
                            Num brado de saudade infinda.

                             Com a grafia mais fina e dourada
                             Na maresia do entardecer carmesim
                             Vencendo abissais profundos, alados...
                             Segredamos o amor em mistério sagrado.


                                                                            Antenor Rosalino